quinta-feira, 6 de julho de 2017

«Ser catequista não é um hobby, um passatempo ou um gosto»

Na Eucaristia do encerramento da XIII jornadas de Verão o Bispo Auxiliar do Porto, D. António Augusto Azevedo afirmou que ser catequista implica “um encontro com Jesus”, um “compromisso” e um “seguimento como discípulo que anuncia o amor de Deus”.
Na sua homilia, e tomando o trecho do evangelho proposto para este domingo pela liturgia,  o prelado lembrou que para “ser digno do tesouro de batizados” os catequistas devem “percecionar esta dignidade através da graça de Jesus”:
“Ser catequista reveste-se de uma enorme dignidade. Da qual cada comunidade cristã é chamada a reconhecer. Esta é uma missão muito digna e essencial para a renovação das comunidades cristãs”.
D. António Augusto Azevedo afirmou ainda a missão do catequista como “vital para a renovação das comunidades e a descoberta da fé dos mais novos”.
Aos catequistas o Bispo Auxiliar do Porto pediu para colocarem “o Senhor no centro da vida”:
“A centralidade estabelece-se através de uma forte experiência do encontro com Cristo vivo. Estabelece, a partir desse encontro um lado de comunhão e de vida”.
“O perfil do catequista apresentado na carta pastoral sobre a catequese, no número 31, pede-se para serdes «um guia espiritual que acompanha ao encontro com o Senhor»”.
D. António Augusto Azevedo afirmou que apenas o que “é movido pelo amor de Deus” sabe e sente “que esse amor deve ser testemunhado e partilhado com todos”, afirmou.
“O amor a Jesus não exclui ninguém mas purificando o nosso olhar e o nosso coração somos capazes de amar os outros já sem a marca do egoísmo. Um amor mais puro, mais livre e mais libertador. Um amor que advém do amor de Deus”.
Como segundo compromisso lembrou a necessidade do catequista “tomar a cruz de Jesus de modo a percorrer o caminho estreito que conduz à vida plena, à Páscoa”:
“Ser catequista não é um hobby, um passatempo ou um gosto, mas um compromisso que se assume com plena consciência e com alegria”.
D. António Augusto Azevedo afirmou que “ser digno da missão de jesus como catequista” significa “entender a vida como Dom, em entrega por amor como Ele aos irmãos”:
“O tempo dedicado à catequese, a disponibilidade para ter momentos de formação, ou o tempo gasto com os pais e as crianças, constituem-se como sinais de vidas dadas por amor. Um amor gratuito que nada espera em troca”, sustentou.
Na conclusão da sua homilia o bispo auxiliar do Porto convidou os catequistas a se sentirem enviados “a crescer a fé nos mais novos” tendo a consciência “de que somos semeadores da boa nova do reino”.



segunda-feira, 26 de junho de 2017

Primeira Comunhão e Profissão de Fé

Em primeiro lugar quero agradecer neste primeiro momento a Deus, fonte inesgotável de todos os dons, pelo Seu amor por nós e por nos dar a graça de viver este momento de tanta alegria. 

Quero registar um profundo agradecimento à Catequese de Pousada de Saramagos no final da formação catequética, e a todos os envolvidos nesta etapa importante da vida religiosa destas crianças que no último Domingo (25 de Junho) tiveram a alegria de receber Jesus na Eucaristia.

Agradecer a todos os catequistas, que não pouparam esforços na formação religiosa dos seus catequizandos, passando todo o conhecimento e o bom exemplo das suas vidas, para encaminhar a vida destas crianças no caminho do Evangelho, em benefício da comunidade. Certamente todos saímos mais fortalecidos em Cristo e orientados acerca daquilo que devemos fazer para sermos bons cristãos.

Agradecer e dar os parabéns aos pais dos catequizandos, por terem escolhido encaminhar os seus filhos/as na Catequese, possibilitando aos mesmos a graça de receberem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo. Os valiosos ensinamentos deixados por Jesus não podem ser esquecidos; precisamos, sim, de continuar a aprender com Jesus a viver com Ele na paz, na união, no amor e na fraternidade.

Agradecer aos padrinhos dos catequizandos, que participaram firmemente na Renovação das Promessas do Batismo que tinham assumido com os seus afilhados no dia do Batismo. Agora, os afilhados/as já crescidos e mais maduros na Fé conhecem mais a proposta de Jesus e devem continuar a aprofundar a Fé particularmente através do apoio e do incentivo dos adultos. 

Também agradecer ao Padre Carlos e a todos os voluntários da Paróquia de Pousada de Saramagos, desde o grupo coral, ministros da Eucaristia, e coordenadores. ... É assim que se constrói o Reino de Deus.







quinta-feira, 4 de maio de 2017

Reunião de Pais do 3º e 6º anos - 2016/2017

Para preparar a Primeira Comunhão e Profissão de Fé, que se realizarão no dia 25 de Junho, pede-se a todos os pais ou responsáveis pelas crianças do 3º e 6º anos que compareçam na reunião de pais, no dia 6 de Maio (Sábado), às 16h30. Os pais de catequizandos destes anos devem perguntar ao catequista responsável pelo seu filho(a) se o mesmo terá ou não catequese nesse dia.
Nesta reunião serão abordados aspectos importantes para a Primeira Comunhão e a Profissão de Fé, entre o quais os preparativos para a festa, e serão esclarecidas as dúvidas que os pais tenham.
Desde já agradece-se a comparência de todos.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

O Meu Reino Não É Deste Mundo

Jesus é perseguido, troçam Dele e Ele é crucificado. Os seus seguidores choram e encontram o túmulo vazio no terceiro dia. O Filho de Deus rompe as cadeias da morte e ascende ao Seu Pai nos Céus. 


A Noite no Getsêmani

Jesus, Pedro, Tiago e João retiram-se para o Jardim do Getsêmani. Jesus submete-se à vontade do Pai e começa a pagar pelos pecados e aflições da humanidade. Ele é então traído e preso.

O Salvador adverte Pedro e prevê que ele O negaria

Jesus admoesta Pedro a permanecer fiel e a fortalecer os seus irmãos. Pedro professa a sua devoção a Jesus. Jesus prevê que Pedro O negaria e então faz a oração intercessória. 

A Última Ceia

Ao reunir-se com Seus discípulos para a ceia, Jesus lava os pés deles, institui o sacramento e dá o mandamento de amar uns aos outros.

Entrada Triunfal do Salvador em Jerusalém

Jesus entra triunfante em Jerusalém. A multidão saúda-O com brados de Hossana ao Filho de Davi.

“Somos convidados a permanecer unidos a Jesus na fé e no amor, para também ressuscitarmos um dia para a vida eterna.”

Evangelho: João 20,1-9
O Senhor ressuscitou, aleluia!
Joãozinho – Pai, o que é Páscoa?
Pai – Ora, Páscoa é… Bem… É uma festa religiosa!
Joãozinho – Igual ao Natal?
Pai – É parecido. Só que no Natal comemora-se o nascimento de Jesus, e na Páscoa comemora-se a sua ressurreição.
Joãozinho – Ressurreição?
Pai – É, ressurreição. Marta, vem cá!
Mãe – Sim?
Pai – Explica ao Joãozinho o que é ressurreição para eu poder ler o meu Jornal.
Mãe – Bom, meu filho, ressurreição é tornar a viver após ter morrido. Foi o que aconteceu com Jesus, três dias depois de ter sido crucificado. Ele Ressuscitou e subiu aos céus. Percebeste?
Joãozinho – Mais ou menos… Mãe, Jesus era um coelho?
Mãe – O que é isso, Joãozinho? Não me fales uma coisa dessas! Coelho! Jesus Cristo é o Pai do Céu! Nem parece que foste batizado! Ricardo, o Joãozinho não pode crescer deste jeito, sem ir à missa pelo menos aos Domingos. Até parece que não lhe demos uma educação cristã! Já pensaste se ele diz uma asneira destas na escola? Deus me perdoe! Amanhã mesmo vou matricular o Joãozinho no catequese! Ou então vou leva-lo ao padre Carlos para lhe explicar tudo. 
Joãozinho – Mãe, mas o Pai do Céu não é Deus?
Mãe – É filho, Jesus e Deus são a mesma coisa. Vais aprender isso na catequese. É a Trindade. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.
Joãozinho  – O Espírito Santo também é Deus?
Mãe – É sim.
Joãozinho – E Minas Gerais?
Mãe – Sacrilégio... Joãozinho!!!
Joãozinho – É por isso que a Ilha da Trindade fica perto do Espírito Santo?
Mãe – Não é o Estado do Espírito Santo que compõe a Trindade, meu filho, é o Espírito Santo de Deus. É meio complicado, nem a mãe entende muito bem. Mas se perguntares na catequese lá explicam  tudo!
Joãozinho – Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa?
Mãe – Eu sei lá! É uma tradição. É igual ao Pai Natal, só que ao invés de presentes ele traz ovinhos.
Joãozinho – Coelho põe ovos?
Mãe – Chega! Deixa-me ir fazer o almoço!
Joãozinho – Pai, não era melhor que fosse a galinha da Páscoa.
Pai – Era… era melhor, sim… ou então urubu.
Joãozinho – Pai, Jesus nasceu no dia 25 de Dezembro, não é?
Pai – É.
Joãozinho  – Em que dia que Jesus morreu?
Pai – Isso eu sei: na Sexta-feira Santa.
Joãozinho  – Em que dia e que mês?
Pai - (???) Sabes que eu nunca pensei nisso? Eu só aprendi que ele morreu na Sexta-feira Santa e ressuscitou três dias depois, no Domingo.
Joãozinho – Dois dias depois!
Pai – Não, três dias depois.
Joãozinho – Então morreu na Quarta-feira.!?
Pai – Não, morreu na Sexta-feira Santa… ou terá sido na Quarta-feira de Cinzas? Ah, Joãozinho, vê se não me confundes! Morreu na Sexta-feira mesmo e ressuscitou no Domingo , no terceiro dia ! ....Como? ...Pergunta à tua catequista!
Joãozinho – Pai, por que amarraram um monte de bonecos de pano lá na rua?
Pai – É o queima do Judas. Judas foi o apóstolo que traiu Jesus.
Joãozinho – O Judas traiu Jesus no sábado?
Pai – Claro que não! Se Jesus morreu na sexta!!!
Joãozinho – Então por é que eles não queimam o Judas no dia certo?
Pai- Ui…
Joãozinho – Pai, qual era o sobrenome de Jesus?
Pai – Cristo. Jesus Cristo.
Joãozinho – Só?
Pai - Que eu saiba sim, porquê?
Joãozinho – Não sei não, mas tenho um palpite de que o nome era Jesus Cristo Coelho. Só assim é que o coelho da Páscoa faz sentido, não acha?
Pai – Ai,... Coitada!
Joãozinho – Coitada de quem?
Pai – Da tua catequista! Filho, vamos. Vou te levar à missa das crianças para a começarmos a entender melhor o que vem a ser ressurreição de Cristo
Joãozinho – Oba!!! Então hoje eu vou saber quem é Jesus Cristo ressuscitado.

E assim terminou a conversa de uma criança com a sua curiosidade sobre Jesus Cristo, da qual devemos todos nós reflectir, porque muitas vezes não estamos preparados para explicarmos tudo que eles querem saber......

Ato penitencial –  O Evangelho irá narrar como foi que Maria Madalena descobriu que Jesus tinha ressuscitado. Depois dela, vieram os Apóstolos, homens simples que puderam sentir junto a ela o poder de Jesus ressuscitado. A nossa reflexão de hoje se dará nessa base …
Maria Madalena era uma pecadora, mulher do povo que vivia metendo-se em confusões, depois que conheceu Jesus mudou totalmente a sua vida e passou a segui-lo.
Quantos de nós conhecemos Jesus e continuamos do mesmo modo? Sem ter compromisso com ELE, sem achar que o nosso tempo é dele também, e que não estamos a perder tempo quando estamos com ELE ?
Quantos de nós  fazemos julgamentos precipitados dos comportamentos dos outros, mas não medimos o nosso? Por que será que Jesus resolveu escolher uma pecadora e não um santo para poder divulgar essa sua ressurreição por toda a terra?  Será que é porque ELE acredita na mudança a ser ainda gerada em cada um de nós? Acredita nas nossas atitudes de pedir perdão e nos redimir diante do que fazemos?
E os discípulos? Por que Jesus escolheu homens simples do povo, homens rudes para assegurar a todo o mundo que ELE ressuscitou? Porque não escolheu aos Reis, aos sumos Sacerdotes, as pessoas mais letradas?
Acho, que é porque Deus confia nos humildes, dispensa os soberbos e está sempre a indicar nos o caminho para estar ao seu lado, o caminho da simplicidade, do perdão e do amor incondicional.
Não dá para ser ambicioso demais e seguir Jesus, não dá para ser egoísta demais e seguir Jesus, não dá para ser injusto demais e seguir Jesus. Pois assim não saberemos nunca que Ele ressuscitou. Por isso, por acreditarmos que somos pecadores, mas temos o grande amor de Deus que nos confia o seu perdão e o seu abraço de reconciliação, vamos rezar para agradecer.

Hino da visita do Papa Francisco a Fátima 2017

SURPREENDENTE VIDA DE JESUS CRISTO

Jesus Cristo não é meramente uma pessoa importante que viveu e morreu há muitos anos atrás. De acordo com a Bíblia, ele é o Deus Criador, que viveu nesta Terra, como homem, para derramar o seu sangue e nos dar vida, resgatando esta humanidade pecadora do poder do pecado, de Satanás e da morte. Ele está vivo hoje e dá vida eterna a todos quantos a procuram.

Aceitar ou rejeitar a Jesus Cristo é uma questão de vida ou morte. Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida (1 João 5:12). E não há salvação em nenhum outro; porque debaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4:12).

Que Deus se torne bem real para si, ao estudar a vida surpreendente de Jesus Cristo! E a vida eterna é esta: que te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste (João 17:3). Amém.


terça-feira, 11 de abril de 2017

24 - Eu sou o Pão da Vida

Jesus ensina que Ele é o Pão da Vida, e que a salvação é conquistada ao comer do pão vivo. Pedro testifica que Jesus é o Filho ungido de Deus.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

sexta-feira, 31 de março de 2017

Leituras e Evangelho 02/04/2017

LEITURA I Ez 37, 12-14 
«Infundirei em vós o meu espírito e revivereis» 
Depois de ter passado diante dos olhos, nos domingos anteriores, a história da salvação, no Antigo Testamento, através de alguns momentos mais significativos dessa história, chegamos hoje aos profetas. Eles são os homens que nos ensinam a interiorizar essa história e a apreender-lhe o sentido profundo. Toda ela se encaminha para Jesus Cristo, para a sua Ressurreição, que hoje é anunciada no Evangelho com a ressurreição de Lázaro. Por meio do profeta, Deus promete-nos o seu Espírito, que é em nós o princípio e a fonte da Ressurreição. 

Leitura da Profecia de Ezequiel 
Assim fala o Senhor Deus: «Vou abrir os vossos túmulos e deles vos farei ressuscitar, ó meu povo, para vos reconduzir à terra de Israel. Haveis de reconhecer que Eu sou o Senhor, quando abrir os vossos túmulos e deles vos fizer ressuscitar, ó meu povo. Infundirei em vós o meu espírito e revivereis. Hei-de fixar-vos na vossa terra e reconhecereis que Eu, o Senhor, digo e faço». 
Palavra do Senhor. 


SALMO RESPONSORIAL Salmo 129 (130),1-2.3-4ab.4c-6.7-8 (R. 7) 
Refrão: No Senhor está a misericórdia e abundante redenção.Q94;Repete-se 
Ou: No Senhor está a misericórdia, no Senhor está a plenitude da redenção. Repete-se 

Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor, Senhor, escutai a minha voz. 
Estejam os vossos ouvidos atentos à voz da minha súplica. Refrão 

Se tiverdes em conta as nossas faltas, Senhor, quem poderá salvar-se? 
Mas em Vós está o perdão, para Vos servirmos com reverência. Refrão 

Eu confio no Senhor, a minha alma espera na sua palavra. 
A minha alma espera pelo Senhor mais do que as sentinelas pela aurora. Refrão 

Porque no Senhor está a misericórdia e com Ele abundante redenção. 
Ele há-de libertar Israel de todas as suas faltas. Refrão 

LEITURA II Rom 8, 8-11 
«O Espírito d’Aquele que ressuscitou Jesus de entre os mortos habita em vós» 
O Espírito de Deus é Quem dá a vida. Foi pelo Espírito de Deus que Jesus ressuscitou; é pelo Espírito que Deus nos dá a sua vida e nos ressuscita com Jesus, seu Filho. Mas para isso é preciso que o Espírito de Deus habite em nós. 

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos 
Irmãos: Os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus. Vós não estais sob o domínio da carne, mas do Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não Lhe pertence. Se Cristo está em vós, embora o vosso corpo seja mortal por causa do pecado, o espírito permanece vivo por causa da justiça. E se o Espírito d’Aquele que ressuscitou Jesus de entre os mortos habita em vós, Ele, que ressuscitou Cristo Jesus de entre os mortos, também dará vida aos vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que habita em vós. 
Palavra do Senhor. 

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Jo 11, 25a.26 
Refrão: Louvor e Glória a Vós, Jesus Cristo, Senhor. Repete-se

Eu sou a ressurreição e a vida, diz o Senhor. Quem acredita em Mim nunca morrerá. Refrão 

EVANGELHO – Forma longa Jo 11, 1-45 
«Eu sou a ressurreição e a vida» 
A ressurreição de Lázaro é a terceira das três leituras evangélicas especialmente importantes na caminhada quaresmal. Catecúmenos e fiéis preparam-se para celebrar o Mistério da Páscoa, da Morte e Ressurreição do Senhor, e assim nelas participar. A Vida está em Deus, e vem a nós em seu Filho, Jesus Cristo. Ele é a Vida. Jesus morreu por nós; nós morreremos n’Ele e com Ele. Mas Jesus passou da Morte à Vida; ressuscitou. Ele próprio é a Ressurreição. N’Ele e com Ele nós ressuscitamos. É a grande mensagem desta leitura, que nos coloca assim na perspectiva pascal. 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João 
Naquele tempo, estava doente certo homem, Lázaro de Betânia, aldeia de Marta e de Maria, sua irmã. Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com perfume e Lhe tinha enxugado os pés com os cabelos. Era seu irmão Lázaro que estava doente. As irmãs mandaram então dizer a Jesus: «Senhor, o teu amigo está doente». Ouvindo isto, Jesus disse: «Essa doença não é mortal, mas é para a glória de Deus, para que por ela seja glorificado o Filho do homem». Jesus era amigo de Marta, de sua irmã e de Lázaro. Entretanto, depois de ouvir dizer que ele estava doente, ficou ainda dois dias no local onde Se encontrava. Depois disse aos discípulos: «Vamos de novo para a Judeia». Os discípulos disseram-Lhe: «Mestre, ainda há pouco os judeus procuravam apedrejar-Te e voltas para lá?». Jesus respondeu: «Não são doze as horas do dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo. Mas, se andar de noite, tropeça, porque não tem luz consigo». Dito isto, acrescentou: «O nosso amigo Lázaro dorme, mas Eu vou despertá-lo». Disseram então os discípulos: «Senhor, se dorme, estará salvo». Jesus referia-se à morte de Lázaro, mas eles entenderam que falava do sono natural. Disse-lhes então Jesus abertamente: «Lázaro morreu; por vossa causa, alegro-Me de não ter estado lá, para que acrediteis. Mas, vamos ter com ele». Tomé, chamado Dídimo, disse aos companheiros: «Vamos nós também, para morrermos com Ele». Ao chegar, Jesus encontrou o amigo sepultado havia quatro dias. Betânia distava de Jerusalém cerca de três quilómetros. Muitos judeus tinham ido visitar Marta e Maria, para lhes apresentar condolências pela morte do irmão. Quando ouviu dizer que Jesus estava a chegar, Marta saiu ao seu encontro, enquanto Maria ficou sentada em casa. Marta disse a Jesus: «Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido. Mas sei que, mesmo agora, tudo o que pedires a Deus, Deus To concederá». Disse-lhe Jesus: «Teu irmão ressuscitará». Marta respondeu: «Eu sei que há-de ressuscitar na ressurreição do último dia». Disse-lhe Jesus: «Eu sou a ressurreição e a vida. Quem acredita em Mim, ainda que tenha morrido, viverá; e todo aquele que vive e acredita em Mim, nunca morrerá. Acreditas nisto?». Disse-Lhe Marta: «Acredito, Senhor, que Tu és o Messias, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo». Dito isto, retirou-se e foi chamar Maria, a quem disse em segredo: «O Mestre está ali e manda-te chamar». Logo que ouviu isto, Maria levantou-se e foi ter com Jesus. Jesus ainda não tinha chegado à aldeia, mas estava no lugar em que Marta viera ao seu encontro. Então os judeus que estavam com Maria em casa para lhe apresentar condolências, ao verem-na levantar-se e sair rapidamente, seguiram-na, pensando que se dirigia ao túmulo para chorar. Quando chegou aonde estava Jesus, Maria, logo que O viu, caiu-Lhe aos pés e disse-Lhe: «Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido». Jesus, ao vê-la chorar, e vendo chorar também os judeus que vinham com ela, comoveu-Se profundamente e perturbou-Se. Depois perguntou: «Onde o pusestes?». Responderam-Lhe: «Vem ver, Senhor». E Jesus chorou. Diziam então os judeus: «Vede como era seu amigo». Mas alguns deles observaram: «Então Ele, que abriu os olhos ao cego, não podia também ter feito que este homem não morresse?». Entretanto, Jesus, intimamente comovido, chegou ao túmulo. Era uma gruta, com uma pedra posta à entrada. Disse Jesus: «Tirai a pedra». Respondeu Marta, irmã do morto: «Já cheira mal, Senhor, pois morreu há quatro dias». Disse Jesus: «Eu não te disse que, se acreditasses, verias a glória de Deus?». Tiraram então a pedra. Jesus, levantando os olhos ao Céu, disse: «Pai, dou-Te graças por Me teres ouvido. Eu bem sei que sempre Me ouves, mas falei assim por causa da multidão que nos cerca, para acreditarem que Tu Me enviaste». Dito isto, bradou com voz forte: «Lázaro, sai para fora». O morto saiu, de mãos e pés enfaixados com ligaduras e o rosto envolvido num sudário. Disse-lhes Jesus: «Desligai-o e deixai-o ir». Então muitos judeus, que tinham ido visitar Maria, ao verem o que Jesus fizera, acreditaram n’Ele. 
Palavra da salvação.